Pentagram Papers

Participação na edição #49 da revista Pentagram Papers.

Ano: 2019
Curadoria e edição: Pentagram

Platotipos

Convidado pelo Platô para participar de um alfabeto colaborativo feito por 84 designers. Fui responsável pelo desenho da letra d minúscula. A exposição aconteceu na vitrine do Studio que fica na Galeria Metrópole.

Ano: 2018
Local: Platô Studio
Curadoria: Daniel Sabino, Elisa von Randow, Julia Masagão e Ralph Mayer
Fotografia: Rodrigo Lins

Hellavision Ep.7

Participação no episódio 7 do Hellavision Television.
Um projeto comunitário norte americano de animação; uma série de eventos participativos que enfatizam práticas de improvisação para criar animação, cinema, arte e design.

Ano: 2019
Cliente: Hellavision Television
Direção de Arte: Brunno Balco
Motion Graphics: Brunno Balco
Trilha: Quinto Andar – Funk da Secretária

PLANA festival

ID promocional para a participação da ACERCA na Plana Festival de livros independentes que aconteceu no Pavilhão da Bienal.

Year: 2017
Client: ACERCA
Art Direction: Brunno Balco
Motion Graphics: Brunno Balco
Script: Brunno Balco
Sound Design: Brunno Balco

GANG CASCA GROSSA

GANG é uma investigação visual, composta por um arsenal de códigos e linguagens, que recria o imaginário de gangues. CASCA-GROSSA é um conto sobre o ritual de iniciação de uma gangue juvenil de bairro. O livro resultado da colaboração com Diego Elias foi editado e publicado pela Acerca.

Leia o conto ao final da página.

Ano: 2021
Editora: ACERCA
Direção Criativa: Brunno Balco
Conto: Diego Elias
Gráficos: Brunno Balco

CASCA-GROSSA

ele nunca parou direito pra ver o céu, ele não liga pra essas coisas, quem tem tempo pra isso, na verdade, ele acha essas coisas meio de boiola, mas agora ele pode ver o céu, mas não é que ele quer ver o céu, ele tá sendo obrigado a ver o céu, porque agora ele tá no chão, de costas pro chão, e o céu tá bem lá em cima, como sempre esteve, o céu sobre nossas cabeças, só que parece maior, um grande cobertor azul, azulzão, ou um saco de lixo azul, melhor, um grande saco de lixo azul aberto ao meio, com os vincos laterais rasgados pra ele ficar esticadão, e as nuvens olham pra ele, bem lá de cima, pra sua cara ensanguentada, na verdade, não toda a cara, não vamo exagerar, só o nariz, depois do soco que fez ele cair no chão, tropeçou nos calcanhares e paf, bunda no piso quebrado, invadido pela erva daninha e mato mijado de cachorro, a palma da mão ralada, e o sangue do nariz escorre no lábio superior e ele sente um gosto de cadeado na boca, e solta um ganido que Eles não escutam, um som que combina bem com o seu rosto horrorizado, horrorizado pela primeira vez, um ganido de choque, em nada parecido com o grunhido do gato antes de morrer, o grunhido do gato perseguiu ele, aquele grunhido antes do último suspiro, sabe, aquele som rasgado que o gato solta no ataque, só que agora mais curto, bem curto, um corte de navalha e pronto, sem vida dentro da sacola, naquela sacola do Baratão, não um saco lixo, muito menos azul como o céu, uma sacola de mercado, mesmo, com a alça esticando pra arrebentar com o peso do gato morto, já era o gato do ******, como Eles podiam ter feito aquilo, é, não adiantou correr pro outro cômodo da casa, se é que pode chamar de casa, esse esqueleto chamuscado, devorada pelas chamas de um ferro de passar esquecido sobre a cama, lembra, a rua derretendo, o fogo lambendo o céu preto da madrugada, os bombeiros acordando todo mundo, e hoje aí abandonada no fim da rua, fedendo a mijo, o point de puta, mendigo e crackeiro, sua Mãe que disse, mal sabe ela, Eles preferem assim, quem desconfiaria, ele olha pra Eles sem acreditar, Eles foram os responsáveis pelo soco e por ele tá no chão agora encarando as nuvens, nesse piso quebrado, mancha de fogo nas paredes, com mato invadindo, forçado a olhar pro céu e eles vão aparecendo, um por um, num plano contra-plongée, sabe, tipo filme de gângster, quando os caras abrem o porta-malas e a gente vê eles lá de dentro, e agora eles aparecem bem assim, como se fossem gângsters, mas não são gângsters, ou são, ele não sabe, um por um, contra a luz, apenas suas silhuetas escuras, primeiro o Frutinha do lado esquerdo, depois a Quatro- Olhos atrás do ombro dele, a handycam na mão ainda, aí o Freio-de-Burro na direita, e, por fim, ocupando o centro do semi-círculo, o chefão, quem diria, quem diria não, é óbvio que ele estaria no centro, mas quem diria que seria ele, o Rolha-de-Poço, o próprio rolha-de-poço, agora um santinho-do-pau-oco, todo respingado de sangue de gato, o líder da gangue mais improvável da rua, improvável porque ninguém conhece, ninguém sabe que são uma gangue, parecia um bando de otário junto, agora tão mais pra seita, isso sim, uma seita, com ritual de iniciação, que não foi bem a morte do gato, não não, ele tem certeza, aquilo foi mais pra mostrar do que Eles são capazes, vai chorar agora Di- Caprio, essa carinha bonitinha chora de medo também, não aguentou aquela ceninha né, outra cena de filme, tudo devagar, o tempo esticado quase arrebentando, o Rolha-de-Poço sorrindo, e tudo tava devagar, que nem slow motion, slow motion e a trilha podia ser um death metal escandinavo, e o movimento circular da sacola do Baratão naquele banheirinho sem teto, tudo registrado na handycam da Quatro-Olhos, sempre de olho na telinha projetável, o melhor ângulo, a mão direita tremendo de êxtase, a esquerda tapando os olhos do Frutinha, fraquinho das emoções, mas espiando entre os dedos da coleguinha, e o Freio-de-Burro olha de um lado pro outro, a cabeça vai da cena brutal aos seus olhos arregalados, a sua cara de horror, e volta pro golpe final do Rolha-de-Poço, o golpe da sacola na louça quebrada, na borda do vaso, o grunhido rascante do gato e o som gutural da trilha, os olhinhos do Freio-de-Burro brilham como brackets, pega ele, não adianta fugir, você tá sendo muito mal-criado, Di-Caprio, cadê aquela macheza toda, e a cara do Rolha-de-Poço sai das trevas da contraluz e para na frente da sua cara agora, olho no olho, e ele pega a sua mão direita e segura o seu dedo indicador entre os dentes, como uma guilhotina, seu dedo indicador da unha defeituosa, do tiro de chumbinho, a ponta do dedo da unha defeituosa toca a língua virgem do Rolha-de-Poço, e de novo o tempo se alarga, e o Freio-de-Burro e a Quatro-Olhos e o Frutinha respiram pesado ali atrás dos ombros largos do Rolha-de-Poço, e o seu sangue do nariz já secou, mas o suor escorre pras têmporas, e o Rolha-de-Poço finalmente afrouxa os dentes e solta o seu dedo defeituoso, seu único defeitinho, Di-Caprio, que viagem, mano, puta que pariu, que viagem, você não consegue mais controlar sua voz esganiçada de choro, as risadinhas, e aí, ou vai ou racha, e você só sacode a cabeça pra cima e pra baixo de olhos fechados, e os três saem das sombras e se agacham ao lado das suas pernas, com destreza cirúrgica levantam a bainha do seu jeans até a canela e abaixam sua meia, dessa vez sem dedo cortado, sem sangue com sangue, só a lambida gosmenta no tornozelo, o tribal de chiclete, o cuspe no papel, a esfregada demorada, e a palma da mão pressionando, e a sua bochecha sente o frio do piso quebrado, um redemoinho, uma vertigem, um mal-estar, uma lisergia-brutal, e de repente tá tudo pronto, Fura-Bolo, sim, Fu-ra-Bo-lo, e os pézinhos ali tudo em volta, calças arregaçadas, tatuagem igual pra todo mundo, o tribal da irmandade, ali, querendo sair pela meia de otário, agora fique de pé, Fura-Bolo, e bem-vindo ao clube, companheiro, bem-vindo ao clube

COFRE

Uma moeda dourada gira.
Seu caráter repetitivo permite a investigação de diferentes formas e cores na comparação de um quadro em relação ao outro.

Ano: 2021
Tamanho: 210 x 297mm
Impressão: Serigrafia
Material: Papel Pólen Bold 90g
Gráfico: Brunno Balco
Descrição: Carlos Cruz
Foto de produto: Brunno Balco

Piña

Comissionado pela HIGH para criar um gráfico e dirigir uma animação com conceito integrado. Tive inspiração na minha pesquisa visual de mascotes para dar vida ao “PIÑA”! Uma fruta cheia de personalidade que se aventura na música eletrônica em busca de diversão.

Ano: 2020
Cliente: HIGH Company
Direção Criativa: Leo Mendes
Animação: Brunno Balco
Gráfico: Brunno Balco
Trilha: ANTCONSTANTINO
Fotografia lookbook: Joshua Ellis
Fotografia Still: Bertz
Modelo: Pedro Barros

Henge

Transformando as pedras icônicas do Stonehenge em uma versão estilizada do logo da HIGH, dirigi uma narrativa provocativa, ao sugerir de forma bem humorada que os antigos construtores do monumento eram, na verdade apreciadores de um bom baseado.

Ano: 2022
Cliente: HIGH Company
Direção Criativa: Leonardo Mendes
Animação: Brunno Balco e Caio Berns
Gráfico: Brunno Balco
Sound Design: Caio Berns
Fotografia lookbook: Joshua Ellis
Fotografia Still: Caíque Oliveira
Modelo: Pedro Barros

MTV MIAW 21

Como diretor de arte e animação, liderei a criação dos pacotes gráficos auxiliares para a premiação MTV MIAW 2021 no Brasil e América Latina. Imprimindo uma estética cibernética empregada pela produtora ACACA, responsável por todo o styleguide do show naquele ano.

Ano: 2021
Cliente: MTV
SVP Marca: Tiago Worcman
VP Programação: Natalia Julião
Direção de Criação: Vinicius Prado
Direção de Arte: Brunno Balco
Motion graphics: Caio Berns
Desenho de logo: Leonardo Faria
Sound Design: Caio Berns
Gestão de projeto: Luciana Martins